HCM, SMA, PKD, PKDef.

O que são?

 

Cardiomiopatia Hipertrófica – HCM A31p (MyBPC3)

 

Cardiomiopatia hipertrófica é a doença cardíaca mais comum em gatos de todas as raças. Gatos afetados correm risco de morte súbita devido a defeitos que produzem aumento da espessura do músculo cardíaco ventricular esquerdo. Na raça Maine Coon, a mutação A31p (MYBPC3) foi identificada e está associada com aumento do risco de HCM.

A transmissão desta mutação é feita por herança genética, do tipo autossômica dominante. Os primeiros estudos revelaram uma penetrância de 100%. Isto significa que os animais que apresentarem a mutação, sejam heterozigotos ou homozigotos, vão desenvolver a doença em algum grau, seja leve, moderado ou grave, em alguma fase da vida.

Estudos mais recentes revelam que a penetrância é incompleta, e que o risco relativo (RR) de HCM em gatos heterozigotos é cerca de 1,8 em comparação com os gatos que não possuem a mutação. No entanto, o risco relativo de HCM em gatos homozigotos é de cerca de 18. Portanto, os gatos com uma cópia do alelo mutante são 1,8 vezes mais propensos a desenvolver HCM do que os gatos que transportam alelos normais. Gatos com duas cópias do alelo mutante são 18 vezes mais propensos a desenvolver HCM do que os gatos que transportam alelos normais e 10 vezes mais propensos a desenvolver HCM do que os gatos com uma cópia do alelo mutante.

Existe um teste de DNA que detecta esta mutação. Atualmente, bom criadores testam seus gatos e mantêm em criação apenas os negativos. Pais negativos geram somente filhotes negativos.

Referências:

1. Meurs K., X. Sanchez, R.M. David, N.E. Bowles, J.A. Towbin, P.J. Reiser, J.A. Kittleson, M.J. Munro, K. Dryburgh, K.A. MacDonald, M.D. Kittleson. A cardiac myosin binding protein C mutation in the Maine Coon cat with familial hypertrophic cardiomyopathy.Human Molecular Genetics (2005) Vol.14, No. 23, doi:10.1093/hmg/ddi386.
2. Godiksen M, et al. Hypertrophic cardiomyopathy in young Maine Coon cats caused by the p.A31P cMyBP-C mutation – the clinical significance of having the mutation. Acta Veterinaria Scandinavica 53:7-18, 2011.
3. Mary J, et al. Prevalence of the MYBPC3-A31P mutation in a large European feline population and association with hypertrophic cardiomyopathy in the Maine Coon breed. J. Vet. Cardiology 12:155-161, 2010.
4. Wess G, et al. Association of A31P and A74T Polymorphisms in the Myosin Binding Protein C3 Gene and Hypertrophic Cardiomyopathy in Maine Coon and Other Breed Cats. J. Vet. Internal Med. 24:527-532, 2010.
5. Fries R, et al. Prevalence of the Myosin-binding Protein C Mutation in Maine Coon Cats. J. Vet. Internal Med. 22:893-896, 2008.
 
 

 

SMA – Atrofia da Musculatura Espinhal

 

SMA é uma desordem neuromuscular hereditária que afeta a ossatura e a musculatura do tronco e dos quadris. Uma perda de neurônios nos primeiros três meses de vida provoca uma fraqueza muscular e a atrofia começa a aparecer entre o terceiro e o quarto mês de vida.

Esta desordem é herdada de um autossôma simples e de caráter recessivo. Para um filhote ter a desordem do SMA, ele tem que ter recebido de ambos os pais uma cópia mutada (recessiva) do gene desta doença, e filhotes machos e fêmeas são igualmente afetados. 

Existe um exame de DNA que identifica o gene mutado que causa a SMA em Maine Coons. Usando esse teste é possível identificar o gene mutado em gatos afetados pela SMA, gatos portadores do SMA, bem como os gatos geneticamente negativos para essa doença.

Referência:

1. Fyfe J.C., M Menotti-Raymond, VA David, et al. An ~140-kb deletion associated with feline spinal muscular atrophy implies an essential LIX1 function for motor neuron survival. Genome Research 2006 16: 1084-1090.

 

 

PKD - Doença do Rim Policístico

 

Doença renal policística (PKD) em gatos é uma condição autossômica dominante que afeta principalmente os gatos persas (36%). Isto significa que é necessária apenas uma cópia do gene para desenvolver a doença. Sendo também uma condição autossômica dominante, significa que numa reprodução entre um gato normal "Clear" com um gato heterozigoto "positivo" (ou seja, uma cópia do gene), cada filhote terá 50% de chance de nascer com a doença. Se o acasalamento for entre um gato normal e outro homozigoto positivo, todos os filhotes nascerão doentes.

Os gatos com a mutação irão desenvolver PKD no seu ciclo de vida, no entanto, o teste de DNA não prevê a idade de início da doença, nem a sua gravidade.

Mutações PKD foram encontradas em muitas raças de gatos, incluindo persas, exóticos, himalaias, britishs, american shorthairs, e ragdolls.

Existe um teste de DNA que identifica o gene mutado que causa a PKD, possibilitando ao criador afastar da criação os gatos positivos, sejam eles heterozigotos ou homozigotos positivos.

Referências:

1. Feline polycystic kidney disease in Persian and other cats: a prospective study using ultrasonography, C BECK and RB LAVELLE, Australian Veterinary JournalVolume 79, Issue 3, Article first published online: 28 JUN 2008

2. Feline Polycystic Kidney Disease Mutation Identified in PKD1 LESLIE A. LYONS,* DAVID S. BILLER,† CAROLYN A. ERDMAN,* MONIKA J. LIPINSKI,* AMY E. YOUNG,* BRUCE A. ROE,‡ BAIFANG QIN,‡ and ROBERT A. GRAHN* - J Am Soc Nephrol 15: 2548–2555, 2004

3. Autosomal Dominant Polycystic Kidney Disease in Persian and Persian-cross Cats. K. A. Eaton, D. S. Biller, S. P. DiBartola, M. J. Radin and M. L. Wellman - Veterinary Pathology vol. 34 no. 2 117-126, March 1997

4. Autosomal Dominant Polycystic Kidney Disease, Patricia A. Gabow, N Engl J Med 1993; 329:332-342, July 29, 1993

 

 

PKDef – Deficiência da enzima Piruvato Quinase

 

É uma anemia hemolítica hereditária causada por atividade insuficiente desta enzima reguladora que resulta em instabilidade e perda de células vermelhas do sangue. A anemia é intermitente, a idade de início é variável e os sinais clínicos também são variáveis.

Baseado em uma pesquisa com 38 raças, a mutação responsável para a deficiência de PK foi encontrada com frequência significativa nas raças Abissínio, Bengal, doméstico Shorthair e Longhair, Mau egípcio, La Perm, Maine Coon, Norueguês da Floresta, Savana, Siberiano, Singapura e Somali.

Esta condição é herdada como autossômica recessiva, ou seja, são necessários dois genes mutados para que se desenvolva a doença (homozigoto positivo). Gatos heterozigotos positivos (um gen mutado), não desenvolve a doença.

Um teste de DNA existente possibilita a detecção da mutação. Deste modo, o criador responsável saberá realizar o manejo para não gerar animais doentes.

Reference:
1. Grahn RA, Grahn JC, Penedo MCT, Helps CR, Lyons LA. Erythrocyte Pyruvate Kinase Deficiency Mutation Identified in Multiple Breeds of Domestic Cats. BMC Veterinary Medicine 2012 (in press).

2. Clinical course of pyruvate kinase deficiency in Abyssinian and Somali cats, Barbara Kohn, Dr Med Vet, Dipl ECVIM-CA, Prof, Christine Fumi, Vet Med - Journal of Feline Medicine and Surgery vol. 10 no. 2 145-153, April 2008 

Nossos gatos se alimentam com:

Somos Associados: